CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Enêude Soares
Voando na inspiração
Textos

A prisão de um ex-presidente

O ódio é uma arma amolada
Que fere ao amor mais doce
Mas este mal não prevalece
Se o amor tiver base blindada
Porém leitor amigo camarada
Na politica é bastante diferente
Rumores talvez seja suficiente
Para base de uma condenação
Não havia tido em nossa nação
A prisão de um ex-presidente
 
Do anonimato foi ao estrelato
Fazendo caminhada brilhante
De entidade foi comandante
Arteiro e um negociante nato
Construiu um grande aparato
Na fraqueza do povo carente
Dizia seu povo ser sua gente
Mas fraquejou na sua ambição
Não havia tido em nossa nação
A prisão de um ex-presidente
 
Quem mais por este país fez
Convenhamos que é verdade
Tirou o pobre da calamidade
De comer por dia uma só vez
Parecia ser santa sua lucidez
Sua oratória era  envolvente
Criava a esperança na gente
Mas aumentou foi a corrupção
Não havia tido em nossa nação
A prisão de um ex-presidente
 
Da noite aproveitou a calmaria
Os aliados era base de segurança
Esqueceu que plantou esperança
Em quem tantos ainda esperaria
A força do poder lhe consumia
Esqueceu o cargo de presidente
Achou-se maior que nossa gente
A propina era moeda do grupão
Não havia tido em nossa nação
A prisão de um ex-presidente
 
Exponho aqui um pensamento
“O errado só vai ser errado
Ate o erro ser concertado”
Refletir este critico momento
Trará grande ensinamento
Sem sigla, sem arma na mente
Construir um Brasil diferente
É de novo a nossa obrigação
Não havia tido em nossa nação
A prisão de um ex-presidente
 
Levantar a cabeça e recomeçar
Esquecer àqueles que nele votou
E aquele que da justiça escapou
Não podemos mais nele votar
Esta arma nos vamos  utilizar
Ate um dia respeitarem a gente
Fazendo nossa escolha consciente
Estamos combatendo a corrupção
Não havia tido em nossa nação
A prisão de um ex-presidente




Recebi esta magnifica interação da Poetisa Hull de La Fuente. Muito
obrigado Poetisa, abraço.

 
Não creio em paternalismo
Em discurso populista
De um falso socialista
Com cheiro de comunismo
Rindo do povo, ô cinismo.
O Paraguay, tão vizinho,
Ao Brasil dá a lição/
Não dá esmola, mas profissão,
À mamata, deu adeusinho,
Dignidade é o caminho.
Enêude Soares
Enviado por Enêude Soares em 07/04/2018
Alterado em 02/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Que seja utilizado o nome do autor da obra na sua divulgação.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários